Sindicato dos Bancários de Mogi das Cruzes e Região
NOTÍCIAS
Bancos podem e devem contratar mais
24/01/2019
Em 2018 setor eliminou quase 3 mil postos de trabalho, 1.389 apenas em dezembro; em todo o ano passado, novos funcionários foram contratados ganhando 36% menos do que os demitidos, e mulheres ganharam

O setor bancário eliminou 2.929 postos de trabalho em 2018. Somente em dezembro, os bancos cortaram 1.389 vagas. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), compilados pelo Ministério da Economia. 

Durante o ano, o salário médio dos demitidos equivalia a R$ 6.774, enquanto a remuneração média dos admitidos corresponde a R$ 4.327. Isso significa que os novos funcionários foram contratados ganhando 36% menos do que os demitidos.

“Os bancos valorizam tanto o discurso da meritocracia e exigem dos seus empregados que se esforcem, se qualifiquem, batam metas inatingíveis, mas tudo isso a troco de quê? Para lá na frente jogarem na rua os bancários que foram promovidos e passaram a ganhar mais? É um contrassenso absurdo da forma organizacional das instituições financeiras que visam apenas os lucros cada vez maiores obtidos sobre a exploração dos trabalhadores”, protesta Marta Soares, diretora executiva do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região e bancária do Itaú.

Desuigualdade de gênero persiste

Entre os gêneros, a desigualdade também persiste e aumentou. Em 2018, as mulheres foram contratadas ganhando em média R$ 3.696, 25% menos do que os homens admitidos (R$ 4.916). As demitidas ganhavam em média R$ 5.879, 23% menos do que os dispensados (R$ 7.657).

“Outro contrassenso que não tem nenhuma outra explicação a não ser a discriminação, porque está comprovado pelo censo da categoria bancária que as mulheres têm mais anos de escolaridade do que os homens. Qual a justificativa para que elas ganhem menos do que eles?”, questiona Marta.

Lucro e sobrecagra aumentaram

A eliminação de postos de trabalho é ainda mais injustificável se o aumento da lucratividade e a relação clientes por empregado forem considerados. Em setembro de 2017, os cinco maiores bancos que atuam no país (Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú, Bradesco e Santander) tinham 847 clientes por empregado. Um ano depois, essa relação aumentou 4%, para 881 clientes por empregado. Os dados são das demonstrações contábeis das instituições. 

Já o lucro líquido desses bancos que representam cerca de 90% do total do número de funcionários cresceu 20,4% entre setembro de 2017 e setembro de 2018, passando de R$ 54,077 bilhões para R$ 65,117 bilhões. Os dados do quarto trimestre do ano passado ainda não estão disponíveis.
 
“O aumento substancial da lucratividade é resultado direto do cumprimento de metas abusivas. Essa exigência, aliada à sobrecarga de trabalho gerada pela redução de postos de trabalho, leva à epidemia de doenças psicossomáticas e por esforço repetitivo observada na categoria bancária. Lembrando que por meio da ratificação da Convenção Coletiva de Trabalho, os bancos se comprometeram para que o monitoramento de resultados ocorra com equilíbrio, respeito e de forma positiva para prevenir conflitos nas relações de trabalho, como determina a cláusula 53 da CCT”, finaliza Marta. (Fonte: SP Bancários)

   

Rua Engenheiro Eugênio Motta, 102 - Jardim Santista - Mogi das Cruzes - SP Tel: (11) 4724-9117
Sindicato dos Bancários de Mogi das Cruzes e Região © Direitos Reservados
Acessar o painel administrativo