Sindicato dos Bancários de Mogi das Cruzes e Região
NOTÍCIAS
Bancos já cortaram 1,4 mil postos de trabalho este ano
01/10/2019
Setor que lucrou mais de R$ 50 bilhões no primeiro semestre do ano também reduz salários, pagando menos aos recém-contratados e às mulheres

O setor bancário eliminou 1,4 mil postos de trabalho entre janeiro e agosto deste ano. O dado é do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), agora vinculado ao Ministério da Economia. O saldo foi positivo em agosto, com a criação de 475 postos de trabalho, mas segue negativo no acumulado do ano.

“De longe, o setor bancário é o mais lucrativo do país e segue ganhando muito da população com a cobrança de tarifas e juros extorsivos. Mas, como sempre, oferece muito pouco retorno à sociedade”, critica a secretária de Comunicação do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Marta Soares.

“Esse retorno deveria vir na forma da concessão de crédito a juros civilizados ou por meio da criação de vagas de empregos, em uma realidade de sobrecarga de trabalho no setor bancário e em um cenário macro de baixa atividade econômica com mais de 12 milhões de desempregados”, propõe a dirigente.

Itaú, Bradesco, Santander, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil lucraram, juntos, no primeiro semestre deste ano, R$ 50,5 bilhões, crescimento de 20,7% em relação ao mesmo período do ano passado. Esses, que são os cinco maiores bancos que atuam no país, concentram 90% dos empregos bancários.  

“Só com o que arrecadam com tarifas cobradas dos clientes, os maiores bancos pagam todos os seus funcionários e ainda sobra muito, o que comprova que essas instituições podem e devem contratar mais, a fim de fornecer um atendimento melhor, amenizar a sobrecarga que adoece tantos trabalhadores e contribuir para a redução do desemprego que assola o país”, avalia Marta. 

Rotatividade

Os bancos também lucram com a rotatividade. O Caged aponta que, de janeiro a agosto, o salário médio dos bancários contratados foi de R$ 4.655, enquanto que os demitidos ganhavam R$ 6.879. Ou seja, os contratados ganham em média apenas 68% da média salarial dos desligados.

No recorte do mês de agosto, o salário médio dos admitidos (R$ 4.529) foi 31% menor do que o dos demitidos (R$ 6.601). 

Discriminação contra mulheres

Além da rotatividade, os bancos seguem com a discriminação de gênero. Nos primeiros oito meses do ano, o salário médio das mulheres contratadas (R$ 3.973) foi 24% menor do que o dos homens contratados (R$ 5.238). Apenas no mês de agosto, o salário das mulheres contratadas (R$ 3.989) é 20% menor do que o dos homens admitidos (R$ 5.015). 

“Uma discriminação injustificável, já que, comprovadamente, as mulheres se especializam mais do que os homens e muitas vezes ainda enfrentam jornadas duplas ou triplas de trabalho, tendo de cuidar, muitas vezes sozinhas, dos filhos e das tarefas domésticas, além do emprego”, critica Marta. 

“Cobramos dos bancos que pratiquem a responsabilidade social que costumam propagar em suas campanhas publicitárias, por meio da redução do crédito, da ampliação das contratações e da equidade salarial entre homens e mulheres”, afirma a dirigente.

Censo da Diversidade

Conquista dos bancários na Campanha Nacional 2018, está sendo realizada este ano uma terceira versão do Censo da Diversidade Bancária, que visa traçar um perfil da categoria por gênero, raça, orientação sexual e pessoas com deficiência (PCDs). Os dois censos anteriores (2008 e 2014) mostraram que as mulheres ainda são discriminadas no setor bancários (ganham menos que os homens), que os negros e PCDs ainda são minoria. É fundamental que bancárias e bancários respondam ao Censo deste ano para que se possa avaliar o setor e propor políticas de promoção de igualdade de oportunidades para todos, sem preconceitos. (Fonte: Seeb/SP)

Rua Engenheiro Eugênio Motta, 102 - Jardim Santista - Mogi das Cruzes - SP Tel: (11) 4724-9117
Sindicato dos Bancários de Mogi das Cruzes e Região © Direitos Reservados
Acessar o painel administrativo