Sindicato dos Bancários de Mogi das Cruzes e Região
NOTÍCIAS
Agravamento da pandemia faz Comando cobrar volta do teletrabalho
23/12/2020
Entidades sindicais também querem que profissionais que trabalhem direto com o público tenham prioridade para a vacina

A mesa de negociações entre o Comando Nacional d@s Bancári@s e a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) se reuniu nesta segunda-feira (21) para discutir medidas para proteger a categoria diante do agravamento da pandemia. O Comando cobrou a interrupção do retorno da categoria ao trabalho presencial e a volta às medidas protetivas. Outra reivindicação foi que @s bancári@s que trabalhem no atendimento direto ao público sejam priorizad@s para receber a vacina contra o novo coronavírus.

“Foi cobrado o retorno do pessoal ao trabalho presencial feito por alguns bancos. Um exemplo foi o Santander, que fez voltar ao trabalho 70% dos bancários e bancárias dos prédios do Centro Administrativo. Que essas pessoas tenham a possibilidade de voltar para fazer o trabalho de casa. Se pode ter o teletrabalho, por que não fazer?”, questionou a presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Juvandia Moreira, coordenadora do Comando.

A única garantia que a Fenaban deu é que a atual situação permanece: quem está trabalhando em casa, fica em teletrabalho, quem está no presencial, continua. O Comando reivindicou que a Fenaban reveja a posição, para que @s bancári@s que voltaram ao trabalho presencial, que retomem o teletrabalho. Os representantes disseram que levarão a proposta para discussão.

Vacina

“Essa mesa pode orientar para os bancos voltarem com as pessoas ao teletrabalho? Os patamares de contágio são mais altos agora do que antes. Tem cidades onde a situação está caótica. Tem gente morrendo esperando leito de UTI. Estamos bastante preocupados com a questão da vacina, porque o governo não tomou as medidas necessárias. A vacina não pode chegar em 2022. Tem que ser já e para todas e todos”, afirmou Juvandia.

A presidenta da Contraf-CUT cobrou a inclusão d@s bancári@s na lista de prioridades da vacina. “Como a categoria teve que trabalhar como atividade essencial, pedimos que a incluam na lista. Trabalhadores em atividades essenciais têm que estar nessa prioridade, como os trabalhadores da Saúde, os idosos e portadores de comorbidades. Vamos buscar a solução, cobrar isso do governo “, disse.

Juvandia também lembrou que foi cobrado da Fenaban medidas e protocolos para proteção da categoria frente à pandemia. “Pedimos para acompanhar, educar sobre o uso da máscara, sobre o distanciamento, mas recebemos denúncias de gente demitida porque não usava equipamento de proteção. Não pedimos para demitir, mas para orientar”, criticou.

Banco de horas negativas

Outro questionamento feito pelo Comando foi sobre o banco de horas negativas, pelo período em que @ bancári@ permanecer em casa, para posterior compensação através de horas extras. Pelos acordos, os bancos acumulariam essas horas até 31 de dezembro para uma compensação até 31 de dezembro de 2021. “Queremos discutir a continuidade desses acordos, senão as pessoas que estão em casa vão ter que voltar a trabalhar em janeiro”, ressaltou a presidenta da Contraf-CUT. Os representantes da Fenaban informaram que cada banco vai procurar as entidades sindicais para negociar. Garantiram que as horas negativas “não serão usadas como artifício para o retorno ao trabalho” e que “a discussão é para renovar os acordos”.

A Fenaban também apresentou a preocupação de ações e multas aplicadas pelo Procon e Ministério Público para o horário restrito de funcionamento das agências, que prejudicaria a população e estaria contribuindo para concentrar os clientes em aglomerações em horários de atendimento mais limitados. A presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Ivone Silva, também coordenadora do Comando, lembrou que as agências estão com menor número de funcionários por conta das demissões feitas pelos bancos esse ano, em plena pandemia. “A demora no atendimento aumentou muito quando começaram as demissões e as agências foram muito afetadas”, disse Ivone. (Fonte: Contraf/CUT-SP)

Rua Engenheiro Eugênio Motta, 102 - Jardim Santista - Mogi das Cruzes - SP Tel: (11) 4724-9117
Sindicato dos Bancários de Mogi das Cruzes e Região © Direitos Reservados
Acessar o painel administrativo